Bullying

Ser agredido, insultado ou ridicularizado pode diminuir a tua auto-estima e fazer com que te sintas indigno. Talvez sintas que ninguém se importa. Mas Jesus Cristo também foi agredido e ridicularizado e compreende o que estás a viver. Ele pode dar-te forças e ajudar-te a sair dessa situação. A Bíblia diz, na segunda carta de Paulo aos Coríntios 12:10, que quando somos fracos, Ele nos faz fortes.

Em Cristo tens valor
Deus criou cada pessoa única, com diferentes talentos, personalidades e desejos. Não somos produzidos em massa, mas cuidadosamente feitos pelo Deus do universo. Ele conhece-nos pelo nome.

Pensa nisto, tu és uma obra-prima de Deus! A vida não é inútil, apesar do que os outros possam dizer ou da maneira que te possam tratar. A tua vida é um presente de Deus. Ele conhecia-te já antes de tu nasceres. O Salmo 139:13-14 diz, “Foste tu que formaste todo o meu ser; formaste-me no ventre da minha mãe. Louvo-te, ó Altíssimo e fico maravilhado, com os prodígios maravilhosos que são as tuas obras. Conheces intimamente o meu ser.”

Tu tens muito valor para Deus e Ele não tem favoritos. (Atos dos Apóstolos 10:34-35) Ele ama-te e importa-se com o que sentes. I Carta de Pedro 5:7 diz, “Confiem-lhe todos os vossos problemas, porque Ele se preocupa convosco.” Se confiaste em Jesus Cristo como Senhor és chamado “filho de Deus”. I João 3:1 diz, “Vejam só com que amor o Pai nos amou, a ponto de sermos chamados filhos de Deus!”

Porque agridem os agressores (bullies)?
Crianças, jovens e adultos agridem os outros por causa de coisas que estão a viver nas suas próprias vidas. Podem invejar-te ou até odiar-te por causa de coisas que estão fora do teu controlo. Estão a viver uma situação difícil, e usam-te como alvo para se sentirem no controlo. Talvez eles mesmos sejam agredidos ou tenham uma visão negativa de si próprios. Pode ser que recebam pouca atenção das pessoas à sua volta. Pode acontecer que a pessoa ou pessoas que estão a fazer a tua vida miserável estejam simplesmente a tentar esquecer os seus problemas. Alguns agressores (bullies) agridem outros para ganhar a atenção, o respeito ou a aprovação dos colegas.

Embora nenhuma destas coisas possa ser o teu caso, lembra-te que podes não ser a única pessoa a passar por uma situação difícil. Apesar de não haver nenhum motivo para o bullying, reconhecer o motivo pode ajudar-te a responder da maneira mais adequada.

Como responder
Embora as palavras “agressão” e “bullying” não apareçam na Bíblia, nela encontramos o conceito de tratar os outros de forma brutal e sem qualquer respeito. Os Cristãos podem mesmo ser o alvo preferido de agressores já que tentar viver como Cristo é frequentemente contrário à cultura.

No Evangelho de Mateus 5:39, Jesus diz, “Mas eu digo-vos: Não resistam a quem vos fizer mal. Se alguém te bater na face direita, apresenta-lhe também a outra.” Contudo, isto não significa que não possas pedir a Deus para te defender ou mesmo resistires por ti mesmo.

Ao responder a uma tentativa de bullying lembra-te que a Bíblia nos diz para tratar os outros com lealdade e respeito. No Evangelho de Mateus 22:39 lemos que devemos amar os outros como a nós mesmos. E a Carta aos Romanos 12:18 recomenda que, “Façam tudo quanto for possível da vossa parte para viverem em paz com toda a gente.” Quando confrontados com alguém a falar mal de ti, a gozar-te ou a humilhar-te, não procures vingança mas responde com amor. Em Mateus 5:44 Jesus diz-nos para amar os nossos inimigos, e em Mateus 5:9 diz que os pacificadores serão abençoados. Em Lucas 6:28 chega mesmo a dizer-nos, “Abençoem quem vos amaldiçoa e orem por aqueles que vos tratam mal.”

A maneira como tratas os outros reflecte a tua relação com Deus já que Ele criou e valoriza todas as pessoas. Se responderes aos agressores (bullies) com uma atitude de amor, eles vão reparar nisso e até talvez possam mudar a sua atitude em relação a ti. O livro de Provérbios 15:1 diz, “Uma resposta amável acalma a cólera; uma resposta violenta excita-a mais.”

Ao mesmo tempo, se o bullying está a afectar-te negativamente – mentalmente, emocionalmente ou fisicamente – evita as situações em que ficas vulnerável ao perigo, e procura apoio de uma pessoa de confiança ou das autoridades. Lembra-te que a nossa força não vem de nós mesmos mas de Deus que cuida de nós e nos dá esperança. Deixa que isso te dê confiança para resistir. O Salmo 34:4-5 diz, “Busquei ao Senhor, e ele me respondeu: livrou-me de todos os meus temores. Olharam para ele, e foram iluminados; e os seus rostos não ficarão confundidos.”

Muitas vezes, é mais inteligente fugir do agressor (bully). O rei Saúl, descrito na Bíblia, perseguiu David apenas por ciúmes, e David fugiu (I Samuel 19-24). Fugir de um agressor (bully) não é covardia; é, antes, a melhor escolha quando não temos outra maneira de nos proteger. Pede a Deus sabedoria para saber como responder e confia nele para fazer justiça.

Se o agressor for um amigo que se diz cristão e te está a enganar, o Evangelho de Mateus 18:15-17 diz para denunciarmos o erro a essa pessoa. Se a pessoa não quiser ouvir, pede a uma ou duas outras pessoas que se aproximem dele ou dela contigo para lhe falares de novo. Se isso não mudar nada apresenta o assunto à comunidade cristã em que estás inserido.

Seja qual for a situação, podemos encontrar conforto e protecção em Deus. O Salmo 46:1 diz, “Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia.”. Deixa hoje que a Sua força te encoraje.

Proteger outros
A carta de Paulo aos Efésios, capítulos 5 e 6 apela aos maridos para defenderem as suas famílias e trabalhos.
Compete aos pais procurar proteger os seus filhos do perigo.

Se o teu filho está a ser alvo de bullying, não partas do princípio que isso vai desaparecer. É importante ensinar aos teus filhos como podem responder de modo a que se sintam preparados para enfrentar o agressor (bully). Mantém aberta a comunicação com os teus filhos, e não hesites em dirigir-te a outro adulto ou ao director da escola para ajudar a resolver o assunto.

ARTIGO SEGUINTE

BGEA LogoJesus.net LogoPazcomDeus no FB

© 2016 Billy Graham Evangelistic Association

Privacidade | Direitos de Autor | Quem Somos